domingo, 26 de setembro de 2010

Teatro - a felicidade do NÃO-SER

No momento em que um ator entra em cena, a personalidade real que anima aquela personagem de ficção passa a não existir, pelo tempo que durar a interpretação. É como se o Eu-Consciente do ator ficasse ali, atrás das cortinas pesadas e discretas do teatro, apenas assistindo a performance, sem intervir diretamente nas expressões emocionais daquele corpo que está sendo observado pelo público.



Não, não se trata de apenas contemplação. O Eu-Consciente do ator pode a qualquer momento intervir, contribuindo sutilmente com sua bagagem de experiência de vida, para que a personagem atinja a sua plenitude artística, tocando profundamente a alma de quem, compenetrado, observa. É um transe, quase religioso, diria até que mediúnico.


Todavia, caso a intervenção do Eu-Consciente seja deveras enfática,  a felicidade do NÃO-SER daquela personalidade desaparece, surgindo em seu lugar, uma leve artificialidade. Teremos um ator a espreitar o público, buscando por um sinal de aprovação, ora demonstrando as fraquezas de seu ego, clamando teimosamente por repetir certa frase que não se encaixa na cena, ora a transmitir preocupação com seu desempenho, num leve franzir de testa,  destoando da situação encenada e denunciando a volta do SER.

Acredito que o que torna sublime para o ator a experiência de interpretar seja justamente a possibilidade de, naquele pequeno espaço de tempo, deixar de existir, apenas NÃO-SER. 

Quem não existe, não sofre, não fracassa, não está sujeito as vicissitudes da vida, porque NÃO É. Ademais, caso aquele corpo animado por aquela personalidade momentânea, que é a personagem, faça algo não digno de aprovação, lá estará preservada e intacta a felicidade do NÃO SER. Não fui eu, foi o personagem que eu interpretei, pode dizer o ator.

Sempre acreditei que o prazer maior de um ator deveria ser o fato de poder viver o que ele quiser. Morrer toda semana, casar todo mês. Hoje rei, amanhã mendigo, depois...ah, depois, quem vai saber, talvez um humilde vendedor de jornal ou o próximo presidente do Brasil.


Pareceu-me, entretanto, que além desse prazer da diversidade, há outro, mais pleno, a felicidade de NÃO-SER você mesmo, nem que por um curto espaço de tempo. 

Férias, férias de si mesmo, nem que seja sob o olhar dominador e consciente do próprio Eu.


5 comentários:

  1. Oi, sou o Leonardo, o "Dom Catarone" (risos), do workshop, gostei bastante do seu blog, você escreve muito bem, adorei esta parte que fala do teatro e como mudou sua vida, te mandei um e-mail com informações da peça do diretor Mauricio e do lugar onde eu faço o Teatro Vocacional...espero que goste.

    ResponderExcluir
  2. Carol, você está cada vez melhor. Publica logo!!!! Preciso saber tudo desse workshop! bjs

    ResponderExcluir
  3. Nossa gostei muito do que li por aqui, meus parabéns, vou seguir ok? Dá um pulo lá no meu e dá uma olhada, axo q vc vai gostar. Me siga tbm se possível :p

    ResponderExcluir
  4. Edgard, seu blog é ótimo! Você escreve frases bem profundas...adorei.

    Amigos, obrigada!

    ResponderExcluir